transversal.mente

paul auster **na impossibilidade das palavras, na palavra por dizer que asfixia, é que eu me encontro **

quinta-feira, abril 7

 

interior

mario_botas2



Carne assaltada
da plenitude do um e do outro.
E aqui cada coisa, como se fosse a última
a ser dita: o som de uma palavra
casada com a morte, e a vida,
este meu dom
de desaparecer.

Persianas fechadas. O pó
de um antigo eu, esvaziando o espaço
que não ocupo. Esta luz
que cresce ao canto do quarto,
para onde o todo do quarto
se deslocou.

A noite repete-se. Uma voz que me fala
de insignificâncias apenas.
Nem sequer de coisas - mas dos seus nomes.
E onde não há nomes -
de pedras. Tumulto de cabras
trepando às aldeias
do meio-dia. Um escaravelho
devorado na esfera
do seu próprio estrume. E ao longe um enxame
de borboletas violáceas.

Na impossibilidade das palavras,
na palavra por dizer
que asfixia,
é que eu me encontro.





paul auster, in Poemas Escolhidos, tradução de Rui Lage, Quasi, 2002.
e mário botas

Comments: Enviar um comentário

<< Home

     

This page is powered by Blogger. Isn't yours?